Vida profissional: faltas durante a gestação e após a licença-maternidade

Carregar um filho(a) na barriga é difícil, cuidar dos primeiros dias do bebê ainda mais desafiador, fazer tudo isso com a preocupação das faltas no emprego é desgastante.

Faltas durante a gestão e após a licença-maternidade são muito comuns mas devem ser justificadas de forma correta para que não haja nenhum problema no seu emprego ou com seus superiores. Entenda melhor o assunto:

Não espere compreensão no seu trabalho

Gestação e licença-maternidade são situações que pedem muita compreensão e empatia do seu ambiente de trabalho, afinal você terá de se ausentar por um bom tempo, e na maioria dos casos isso não representa uma boa notícia para empresa.

E apesar de alguns patrões serem extremamente compreensivos com este momento delicado, é melhor não contar com esse tipo de comportamento no seu emprego.

A melhor atitude a ser tomada é estudar seus direitos e estar de acordo com que a lei diz, assim você garante estabilidade e pode se defender caso haja qualquer descumprimento desta lei também.

Vida profissional: a lei é clara!

O período de afastamento do emprego devido a licença-maternidade compreende 120 à 180 dias de afastamento (contando o período de gestação), e as faltas no trabalho que não estão dentro destes dias devem ser justificadas, com medidas graves como a própria demissão caso não o forem.

Transtornos relacionados a gravidez como complicações de saúde, consultas e atestados médicos devem ser cumpridos e apresentados à empresa caso haja falta fora do período da licença-maternidade.

Caso não haja justificativa ou mesmo que a justificativa seja apresentada e não cumprida (como utilizar atestados para fazer viagens à lazer), o empregador tem o direito de demitir a contratada em qualquer período da gestação, por justa causa.

As faltas podem custar mais do que seu emprego

Em casos como faltas justificadas e não cumpridas ou faltas injustificadas fora do período da licença-maternidade, a mãe não só corre o risco de perder o emprego como também pode complicar seu direito de receber o auxílio maternidade.

Apesar de o salário maternidade ser um direito de todas, a lei pode se tornar mais complicada em casos de demissão e pode até mesmo ser negada! Nós da assessoria advertimos a todas as mães sobre a seriedade da situação e pedimos para que fiquem atentas a este tipo de comportamento!

No entanto se você se encontra em uma situação similar ou se seu pedido foi negado por outro motivo, nós podemos te ajudar a conquistá-lo mesmo assim, é só preencher nosso formulário e entraremos em contato imediatamente para resolver sua situação: Formulário para pedir auxílio maternidade.

**Lembre-se que a lei mudou e agora você possui apenas 180 dias para exigir seu direito, o quanto antes entrar em contato melhor!

Grande abraço e até a próxima!

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Share on linkedin
Share on email

Quem somos

Somos uma equipe que desenvolve um trabalho para assegurar o direito da mãe de receber o auxilio maternidade.Se o seu filho ainda não completou 5 anos e você trabalhou com registro em carteira de pelo menos 1 dia antes ou durante a gravidez, você pode ter direito ao auxilio. 

Contato

  • contato@auxiliomaternidade.com
  • (43) 98835-1973
  • (43) 3020-3636
  • Rua, Santa Catarina
    193 Salas 15 e 17 Centro
    Londrina / Paraná
RODAPE

© 2019 Auxilio Maternidade . Feito com ♥ por Agência Primage